Fale Conosco

Mande sua mensagem preenchendo o formulário abaixo e retornaremos o mais breve possível.
Teremos o imenso prazer em te ajudar no que for preciso.

Notícias

Início » CFO apoia a Academia Brasileira de Odontologia ao destacar trabalho com portadores de necessidades especiais

CFO apoia a Academia Brasileira de Odontologia ao destacar trabalho com portadores de necessidades especiais

Atenção e Cuidado da Saúde Bucal da pessoa com deficiência é a cartilha publicada pela Universidade Federal de Pernambuco – Programa de Pós-graduação em Odontologia elaborada pelos organizadores Arnaldo de França Caldas Jr. e Josiane Lemos Machiavelli. Para destacar esse estudo, a Academia Brasileira de Odontologia aborda o tema na última edição da Revista Virtual da ACBO, julho de 2015. “Esse trabalho vem ao encontro das grandes ações que dignificam a Odontologia. É uma divulgação muito importante para toda a classe odontológica”, afirma o presidente do CFO, Ailton Morilhas.

A publicação, segundo os organizadores, tem o objetivo de apresentar o serviço odontológico e a abordagem empregada no projeto de extensão Acolhendo Sorrisos Especiais, centro de referência no atendimento aos PNE, situado em Pelotas/RS e vinculado à Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Pelotas (FOP/UFPel) e ao Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) Jequitibá da Secretaria Municipal de Pelotas.

Segundo a cartilha, o paciente com necessidades especiais (PNE) é todo usuário que apresente uma ou mais limitações, temporárias ou permanentes, de ordem mental, física, sensorial, emocional, de crescimento ou médica, que o impeça de ser submetido a uma situação odontológica convencional. Os avanços tecnológicos, diz a publicação, têm garantido um aumento considerável na expectativa de vida dos PNE, levando a um aumento desses indivíduos na população mundial. Segundo estudos citados na cartilha, aproximadamente 1 em cada 6 crianças americanas têm alguma deficiência de desenvolvimento. No Brasil, o último resultado do Censo Demográfico realizado pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa e Estatística (IBGE, 2010) mostrou que 23,9% da população brasileira possui algum tipo de deficiência.

Ainda de acordo com a cartilha, muitas pessoas (PNE) encaixam-se no grupo de alto risco para a cárie e para a doença periodontal por diversos motivos, como falta de habilidade motora para manutenção de sua saúde bucal e uso de medicamentos que levam à redução do fluxo salivar. Por esses motivos, deve-se ressaltar a importância de um acompanhamento odontológico desde o nascimento até a idade adulta, com o objetivo de manter a saúde bucal e conter os fatores de risco que propiciam o aparecimento da doença cárie e periodontal bastante prevalente nestes pacientes.

Fonte: Academia Brasileira de Odontologia